Categorias

    A mamoplastia redutora é um tipo de cirurgia que tem o objetivo de corrigir o tamanho e o formato dos seios, por meio da retirada de tecido glandular, gordura e pele. O procedimento normalmente é indicado para mulheres que sofram de lesões no pescoço, ombro e cervical, ocasionadas pelo tamanho avantajado das mamas.

    Como é realizada a mamoplastia redutora?

    A cirurgia de correção mamária é antecipada pela realização de avaliação clínica e apresentação de exames mamográficos, biópsias e questionário acerca do atual estágio de saúde da paciente, histórico familiar de câncer, possíveis alergias a medicações e tipos de tratamentos médicos. A primeira etapa da cirurgia plástica consiste na retirada do tecido excedente da região mamária e em seguida é realizado o remodelamento dos seios.

    Embora existam várias técnicas de redução mamária, a presença de cicatrizes é a regra e sua extensão dependerá da escolha de qual tipo de procedimento indicado para cada caso em particular. Normalmente, o tamanho da cicatriz irá variar de acordo com o tamanho das mamas, indo de uma pequena cicatriz periareolar até uma maior em formato de T invertido. O tempo médio de cirurgia é de 2 a 3 horas, variando de acordo com a complexidade do caso. A anestesia pode ser peridural ou geral. Após o procedimento, a paciente será encaminhada ao quarto, onde ficará em observação durante o período de 12 a 24 horas.

    Cuidados no operatório

    – Alimentação – recomenda-se que a paciente mantenha uma dieta leve e bem equilibrada na primeira semana após a cirurgia

    – Sutiã – O uso do sutiã cirúrgico é de fundamental importância para a recuperação no pós-operatório. Ele deve ser colocado assim que a cirurgia for terminada, ainda no centro cirúrgico, sendo retirado apenas durante o banho. O período em que a paciente usará o sutiã será determinado pelo médico.

    – Drenagem linfática – A realização de drenagem linfática é um fator importante para maior conforto da paciente e deve ser realizada por profissionais experientes.

    – Retomada das atividades cotidianas – Estima-se que após uma semana atividades relacionadas a estudo e trabalho possam ser retomadas. Já atividades que demandem mais esforço físico, como correr, malhar e levantar pesos exigem mais tempo (2 meses ou mais) e devem ser liberados pelo cirurgião plástico de acordo com cada caso.

    A mamoplastia é a cirurgia plástica que tem como finalidade alterar o volume e forma das mamas seja para fins estéticos ou rescontrutivos. Na maior parte dos casos, as cirurgias são de aumento de volume através da inclusão de prótese de silicone, ou de redução do volume, por meio da retirada de parte do tecido mamário. Entenda um pouco mais sobre a mamoplastia e suas principais indicações.

    Em que casos é indicada a cirurgia plástica das mamas?

    A mamoplastia é indicada para melhorar a forma das mamas, adequando-as ao restante do corpo da paciente. Inclui-se neste conceito os seguintes procedimentos:

    1. Mamoplastias de aumento: realizadas através da inclusão de próteses de silicone, são as mais realizadas atualmente. Indicada em pacientes com mamas pequenas e desproporcionais ou mamas assimétricas (uma diferente da outra);
    2. Mamoplastias redutoras: indicadas para pacientes com mamas muito grandes que podem causar dor nas costas, assaduras e prejudicam o convívio social e prática de exercícios físicos;
    3. Mamoplastias tipo mastopexia: realizadas em pacientes que apresentam mamas flácidas, muito comum após amamentação. Tem o objetivo reposicionar a aréola e aumentar a turgidez das mamas. Pode ser necessário a inclusão de próteses mamárias;
    4. Mamoplastia reconstrutora: indicada para pacientes que foram submetidas a procedimentos para retirada de tumores das mamas e evoluíram com pequenas ou grandes deformidades como a retirada total de uma ou ambas as mamas.

    Quais são os principais cuidados a serem tomados após a mamoplastia?

    Os principais cuidados a serem tomados após uma mamoplastia variam de acordo com a complexidade da cirurgia realizada. Assim, os cuidados após uma mamoplastia de aumento (próteses de silicone) são mais simples que os cuidados após uma reconstrução total de ambas as mamas. Porém, de maneira geral, a paciente deve:

    • Não realizar esforço físico, principalmente com os braços, que não devem ser elevados além da altura dos ombros;
    • Cuidar das feridas de acordo com a orientação do cirurgião. Em alguns casos, é normal que o médico oriente deixar os curativos ocluídos por 3 ou 4 dias;
    • Utilizar as malhas ou sutiã compressivos;
    • Dormir com a cabeceira da cama elevada para diminuir o inchaço no local;
    • Não se expor ao sol até a liberação do cirurgião;
    • Dormir com a barriga para cima para não comprimir as mamas;
    • Em alguns casos: faixa para compressão da parte superior da mama, placas de silicone e pomadas especiais para cicatrizes.

    Marque sua consulta na clínica de cirurgia plástica | Mario Farinazzo

    A mamoplastia é a cirurgia plástica indicada para a correção, aumento ou redução das mamas. É um dos procedimentos mais procurados atualmente, superando, inclusive, a lipoaspiração.

    Com a constante busca pela melhora da imagem e a satisfação com o próprio corpo, além de lotarem as academias e se preocuparem cada vez mais com a alimentação, as pessoas passaram a se interessar cada vez mais pela realização de cirurgias plásticas, muitas vezes optando por realizar mais de um procedimento ao mesmo tempo.

    A realização de cirurgias plásticas associadas é muito frequente e pode trazer benefícios como a otimização dos resultados e a economia com gastos de equipe e internação. No entanto, para realizar a associação de duas ou mais cirurgias plásticas é necessário avaliar algumas questões, tais como:

    • O tempo de duração total do procedimento. Sendo recomendado que não ultrapasse 5 ou 6 horas, visto que alterações pós-operatórias são mais frequentes nas cirurgias mais longas;
    • A perda sanguínea dos procedimentos. Cirurgias de grande porte associadas podem levar uma perda de sangue que pode prejudicar o período pós-operatório. Por isso, é importante identificar os pacientes com anemia e realizar a correção, além de considerar a realização das cirurgias separadamente nestes casos;
    • Os cuidados exigidos são diferentes em cada cirurgia e, muitas vezes, incompatíveis. Um exemplo clássico é o desejo de associar a cirurgia de inclusão de próteses mamárias com a inclusão de próteses glúteas. Enquanto em uma a orientação é dormir de barriga para cima (mama) na outra é o contrário.

    Além disso, cirurgias combinadas exigem muitas vezes outra pessoa para auxiliar o paciente em casa durante os cuidados pessoais do dia a dia, o que, nem sempre é possível.

    Quais cirurgias plásticas podem ser associadas à mamoplastia?

    A mamoplastia, seja ela de aumento ou redutora, é uma das cirurgias plásticas mais frequentemente associadas a outras. Dentre os procedimentos mais buscados por mulheres que também irão realiza a mamoplastia, estão:

    • Lipoaspiração;
    • Abdominoplastia;
    • Rinoplastia.

    E engana-se quem pensa que essa associação é realizada apenas nos casos de mamoplastia de aumento (próteses de silicone), pois nos casos em que a cirurgia das mamas é feita com o intuito de reduzir os seios também é muito comum associar a lipoaspiração e a abdominoplastia, visto que, em muitos casos, a paciente também apresenta outros locais de gordura localizada ou flacidez.

    O mesmo ocorre para a mastopexia (lifting das mamas), que é bastante procurada por mulheres que apresentam queda dos seios devido a gestações, idade avançada ou grande perda de peso, motivos aos quais a abdominoplastia também é muito indicada.

    De um modo geral, apenas um cirurgião plástico poderá confirmar a possibilidade de associar a mamoplastia a outros procedimentos, considerando, além das questões mencionadas anteriormente, o atual quadro de saúde da paciente, após a análise de exames solicitados previamente durante as avaliações.

    Marque sua consulta na clínica de cirurgia plástica | Mario Farinazzo

    Além da escolha do cirurgião plástico que irá realizar a mamoplastia de aumento, a escolha da prótese de silicone também é muito importante para garantir a satisfação da paciente após o procedimento. Entenda melhor como tomar essa decisão.

    Atualmente, a cirurgia de mamoplastia de aumento é o procedimento estético mais realizado do segmento, devido, principalmente, à satisfação da maioria das pacientes que realizam o aumento das mamas com prótese de silicone. No entanto, para que o procedimento seja satisfatório, além de realizar a cirurgia com um profissional de confiança, é fundamental que o tipo da prótese de silicone escolhida seja compatível ao desejo e, principalmente, ao biótipo da paciente.

    Quais tipos de prótese de silicone existem?

    Existem, atualmente, algumas características que segmentam os tipos de prótese de silicone utilizados para o aumento das mamas durante a mamoplastia de aumento. São elas:

    • O formato da prótese de silicone, que pode ser redondo, cônico ou em formato de gota;
    • O perfil da prótese, que pode ser baixo, moderado, alto e super alto e define se a aparência da prótese será mais natural ou artificial;
    • O volume da prótese de silicone, que representa a quantidade de silicone que a prótese utilizada possui, auxiliando no aumento e na aparência das mamas.

    A escolha destas características deve levar em consideração o desejo da paciente e principalmente a  indicação do  cirurgião plástico

    Qual prótese de silicone é a ideal para o meu corpo?

    Dentre os aspectos físicos que o cirurgião plástico leva em consideração na hora de indicar a melhor prótese de silicone para a paciente, considerando, também, as expectativas dela com relação ao resultado do procedimento, destacam-se a altura, a largura do tórax e a elasticidade da pele da paciente.

    A altura é um item muito importante, visto que muitas mulheres de estatura baixa preferem próteses menores, pois as mais volumosas podem dar a impressão de estarem acima do peso. Afinal, foi o tempo em que a maioria das pacientes que realizavam a mamoplastia de aumento queriam ter um aspecto de seios “turbinados”. Atualmente, as mulheres preferem um resultado mais natural.

    A largura do tórax é relevante para que os seios não fiquem desproporcionais à largura da paciente e a elasticidade da pele é determinante para decidir se será necessária a retirada de pele concomitantemente à inclusão da prótese de silicone (matopexia com prótese).

    De uma forma geral, para escolher a melhor prótese de silicone, é fundamental analisar todas as opções que o especialista possui a disposição, além de avaliar as características físicas citadas, a fim de atingir as expectativas da paciente. Além disso, buscar um profissional de confiança, que seja membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

    Marque sua consulta na clínica de cirurgia plástica | Mario Farinazzo

    A cirurgia plástica das mamas, chamada de mamoplastia, é uma das mais procuradas pelas pacientes. O procedimento pode ser realizado com a finalidade de diminuir ou aumentar os seios. Nesse último caso, a cirurgia é chamada de mamoplastia de aumento.

    Como funciona a cirurgia de mamoplastia de aumento?

    Ao decidir realizar o procedimento, a paciente deve marcar uma consulta com o cirurgião plástico com a maior antecedência possível da data que pretende operar.  Além de analisar a queixa da paciente e seu histórico de saúde,  o médico fará um exame físico completo indicando ou não a necessidade de realizar a cirurgia.

    Se a paciente for considerada apta e tiver indicação para a inclusão de próteses mamárias, o cirurgião decidirá em conjunto com a paciente sobre as próteses ideais a serem utilizadas. Para isso, leva-se em conta o peso, altura, diâmetro do tórax, tipo de atividade física que realiza e desejo de uma mama com aspecto mais natural ou mais projetada.

    Com tudo definido e explicado, a cirurgia é agendada e as próteses escolhidas, solicitadas. No período logo anterior à cirurgia,  é importante:

    • Suspender o uso de medicamentos anticoagulantes;
    • Para de fumar;
    • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
    • Evitar queimadura solar (vermelhidão).

    No dia da cirurgia, é aconselhado que a paciente esteja em jejum total, tanto de sólidos quanto de líquidos, inclusive água por um período de 8hs que antecedem a cirurgia..  Após o procedimento anestésico a cirurgia é iniciada.  Basicamente o cirurgião realiza uma incisão(corte) de 3 a 4 cm na pele  e cria um espaço no qual será posicionada a prótese de silicone. Essa incisão pode ser realiza nos seguintes locais:

    • No sulco mamário;
    • Na axila, ou
    • Ao redor da aréola.

    O espaço criado para a colocação da prótese pode ser na frente ou atrás do músculo peitoral maior.  Então, as próteses são abertas, inseridas no espaço criado e a incisão é cuidadosamente fechada e coberta com um curativo esterilizado. A cirurgia dura cerca de 1 hora e 30 minutos e a alta hospitalar pode ser dada 6 horas após o término da anestesia.

    Como é a recuperação da mamoplastia?

    Após concluído o procedimento, a paciente permanece em observação por cerca de 6 horas e então pode ser liberada para casa.

    É comum que a paciente sinta dores que podem ser controladas sem maiores problemas com os analgésicos prescritos. O inchaço é maior após 48 a 72 horas após o término do procedimento e este é o período em que as mamas ficam maiores e mais incômodas. Porém, daí por diante, a recuperação é rápida e muitas já se sentem dispostas até para trabalhar.

    Na maior parte dos casos, são utilizados fios especiais para fechamento das incisões e não é necessário que sejam retirados. O banho é liberado já no primeiro dia, pois os curativos são impermeáveis.

    O retorno às atividades, bem como à prática de exercícios físicos, deve ser autorizado pelo cirurgião plástico que acompanhou o procedimento. No entanto, de uma forma geral, atividades que não exijam contato físico ou impactos são liberadas após 30 dias.

    As cicatrizes resultantes do procedimento são muito discretas, mas ao longo dos primeiros meses de recuperação da mamoplastia ainda são mais aparentes. E, embora na primeira semana já seja possível notar grandes mudanças, o resultado da mamoplastia de aumento é considerado definitivo apenas 6 meses após a cirurgia.

    Marque sua consulta na clínica de cirurgia plástica | Mario Farinazzo

    Mamoplastia de aumento é a cirurgia plástica das mamas que tem o objetivo de aumentar o volume dos seios com o auxílio de próteses ou enxerto de gordura. Indiretamente, esta cirurgia também diminui a flacidez de pele.

    Por estar relacionada a uma região muito ligada à autoestima da mulher, a mamoplastia deve ser realizada por um cirurgião plástico que tenha credibilidade e passe segurança. É fundamental que todos os passos do processo fiquem esclarecidos para a paciente, desde os cuidados pré-operatórios até o tipo de prótese ideal.

    Como escolher a prótese ideal?

    Os implantes utilizados em uma mamoplastia de aumento precisam atender às expectativas da paciente e devem ser adequados para cada biótipo

    Alguns fatores que precisam ser avaliados para definir a prótese ideal, são:

    • Altura da paciente: quanto mais baixa a paciente, menores devem ser os implantes e vice-versa. Próteses muito grandes em paciente com pouca altura, podem dar a impressão que a paciente ganhou peso;
    • Largura do tórax: quando o tórax é estreito, deve-se dar preferência para próteses de base estreita e mais projetadas. Quando o tórax é largo, próteses com bases maiores ficam melhor adaptadas. ;
    • Tamanho da mama original: sempre deve ser levado em conta a quantidade de mama que a paciente possui, pois os volumes se somarão. Para pacientes com pouca ou nenhuma mama, geralmente indica-se próteses maiores;
    • Espessura do tecido adiposo: pacientes muito magras tendem a ficar com o colo da mama mais marcado quando utilizam próteses redondas e de perfil muito alto, dando um aspecto mais artificial. Se a paciente deseja uma mama com aspecto mais natural, pode-se indicar uma prótese de perfil anatômico ou de menor projeção;

    Independentemente do tipo de prótese escolhida, o preparo para a mamoplastia de aumento deve seguir uma sequência comum.

    Qual o preparo necessário para a mamoplastia de aumento?

    Ao longo das consultas de avaliação com o cirurgião plástico, ele irá solicitar alguns exames a fim de avaliar a condição de saúde da paciente e, a partir daí, pode ser que o especialista indique alguns cuidados especiais.

    No entanto, as recomendações gerais anteriores à mamoplastia são:

    • Suspender o uso de remédios anticoagulantes ou outros medicamentos que o cirurgião plástico considerar necessário interromper para não prejudicar o procedimento;
    • Para de fumar por, pelo menos, 15 dias antes da cirurgia plástica;
    • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas nos dias anteriores à mamoplastia;
    • Evitar a exposição solar exagerada nos dias que antecedem a cirurgia;
    • Manter jejum absoluto, inclusive de água, ao longo das 8 horas que antecederem a cirurgia.

    Sobretudo, é fundamental que a paciente esteja confiante e que tenha todas as dúvidas esclarecidas pelo cirurgião plástico antes da mamoplastia. Por isso é muito importante realizar o procedimento com um especialista confiável.

    CTA3

    A cirurgia plástica de redução de mama, chamada pelos especialistas de mamoplastia redutora, é o procedimento realizado para reduzir o volume das mamas. Apesar de estar relacionada à autoestima da paciente, o objetivo principal da mamoplastia redutora não é estético, mas sim funcional.

    O procedimento de redução das mamas visa remover o excesso de tecido adiposo (gordura), glandular e de pele diminuindo o peso e a sobrecarga sobre a coluna e os ombros da paciente. Existem algumas situações nas quais a mamoplastia redutora é mais indicada.

    Quando a mamoplastia redutora é indicada?

    Normalmente o cirurgião plástico indica a mamoplastia redutora nos casos em que a dimensão das mamas afeta o convívio social e a saúde da paciente. Mulheres que têm seios excessivamente grandes podem apresentar os seguintes problemas:

    • Dores constantes nas costas, principalmente na região lombar e cervical;
    • Problemas de postura;
    • Ferimentos nos ombros devido ao uso constante de sutiãs reforçados para suportar o peso das mamas;
    • Limitação para praticar atividades físicas;

    Dessa forma, a mamoplastia redutora é indicada para corrigir o volume mamário, adequar a forma e diminuir a flacidez das mamas. No entanto, apenas um cirurgião plástico especialista poderá confirmar a necessidade do procedimento.

    Como é realizado o procedimento de redução das mamas?

    Antes de tudo, é essencial que a paciente esteja em boas condições antes do procedimento, portanto, é comum que o especialista solicite a realização de diversos exames para verificar a condição de saúde, além de realizar um exame físico completo durante as consultas.

    Existe uma série de cuidados que a paciente deverá ter nos dias anteriores à cirurgia plástica das mamas. Alguns deles são:

    • Suspender o uso de medicamentos anticoagulantes;
    • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
    • Interromper o uso de tabaco e outras drogas;
    • Informar o especialista em casos de sentir-se indisposta ou apresentar sintomas de gripe;
    • Manter o jejum absoluto de alimentos sólidos e líquidos, inclusive de água, durante as 8 horas que antecederem o procedimento.

    A técnica cirúrgica pode variar de acordo com as características de cada caso, como o tamanho das mamas, a flacidez e a posição do mamilo. De forma geral, após realizadas as medições e marcações, o cirurgião retira parte da pele, glândula e tecido gorduroso em excesso. Então, realiza a “montagem” que dará uma nova forma e um posicionamento mais superior para as mamas. Para isso, realiza vários pontos internos com fios fortes. Neste momento, o maior desafio é atingir a maior simetria possível entre as mamas. Com as mamas “montadas” o cirurgião passa então para a fase de “acabamento”, a mais importante para a o aspecto final das cicatrizes.

    Há a possibilidade de associar a técnica com outros procedimentos, como a lipoaspiração, por exemplo, caso o cirurgião plástico note a necessidade. A cicatriz resultante do procedimento, na maioria dos casos, é localizada ao redor da auréola e se prolonga verticalmente até o sulco mamário, formando um “T” invertido.

    Após o procedimento, o especialista deverá orientar a paciente sobre os cuidados da recuperação e a medicação que deverá ser utilizada em caso de dores. É muito importante que a paciente tenha em mente que o repouso pós-operatório deve ser cumprido e, caso note qualquer alteração ou sinta algum incômodo, entre em contato com o cirurgião plástico.

    CTA4

    Apesar de ser um procedimento bastante conhecido e um dos mais realizados entre as cirurgias plásticas, os implantes mamários podem apresentar variações que muitas pacientes desconhecem até realizar uma avaliação com um cirurgião plástico.

    Entenda agora quais são os tipos de implantes utilizados em cirurgias plásticas das mamas, chamadas também de mamoplastias, quais são as diferenças entre eles e quando os especialistas em cirurgias plásticas aconselham a utilização de cada um.

    Quais são os tipos de próteses mamárias existentes?

    A princípio, as próteses mamárias podem ser divididas em  três  grupos que se diferenciam, basicamente, pelo material de que são feitas. São eles:

    • Implante de gel de silicone: são os mais conhecidos e os mais utilizados em mamoplastia de aumento. Apresentam uma consistência e textura próxima à estrutura dos tecidos mamários femininos;
    • Implante de Poliuretano: é preenchido por gel de silicone, mas possui revestimento de poliuretano. É muito estável por se aderir intensamente ao tecido mamário circunjacente.   Porém, essa característica dificulta uma posterior cirurgia para troca dos implantes;
    • Implante de solução salina: têm como grande vantagem a possibilidade de permitir que o cirurgião plástico administre a dosagem ideal de líquido a fim de proporcionar um resultado mais simétrico e de acordo com as expectativas da paciente. São utilizados para mamoplastias de aumento bem como para a cirurgia plástica reconstrutiva das mamas. São populares em países como os Estado Unidos, mas não são comercializados no Brasil.

    Além de se diferenciarem pelo material de que são feitos, os implantes mamários possuem forma e tamanhos variados.  Essas  diferenças são essenciais para atender às necessidades  de cada paciente.

    tipos de implantes mamáriosFormato dos implantes de mama

    O formato da prótese mamária interfere diretamente no resultado da mamoplastia de aumento ou da cirurgia plástica das mamas. O implante de mama pode ser:

    • Redondo: proporciona uma aparência mais volumosa ao colo da mama (região mais próxima ao pecoço), efeito muito buscado pelas pacientes. Por isso, é o mais utilizado;
    • Cônico: proporciona maior projeção na região dos mamilos. Tem sua indicação muito semelhante `a dos implantes redondos;
    • Formato de gota ou anatômico: propositalmente criado com o intuito de promover um efeito mais natural às mamas da mulher. Muito utilizado nos casos de reconstrução mamária após a mastectomia.

    Tamanho dos implantes mamários

    O volume dos implantes pode variar bastante de acordo com o laboratório fornecedor, mas todos são medidos em cc (abreviação para centímetros cúbicos) ou mililitros e, por norma, iniciam com pouco mais de 100 cc, podendo atingir, no máximo, 800 cc.

    O volume adequado para cada paciente depende do desejo da mesma e da avaliação do cirurgião plástico, que levará em consideração as possibilidades técnicas para cada caso.

    Quando cada um é indicado?

    A indicação do tipo de prótese mamária ideal será feita pelo cirurgião plástico após  um exame físico completo  levando em consideração o resultado    desejado pela paciente. É importante ressaltar que o padrão de beleza é muito variável com o tempo e, o que é considerado belo hoje, pode não ser mais em alguns anos.

    Na década de 80, estavam em moda as mamas pequenas, diferentemente do padrão atual. Contudo, já podemos observar uma tendência `a utilização de próteses de tamanhos menores. A recomendação é o bom senso, com cirurgias que diminuam as chances de complicações futuras.

    Por isso, é fundamental realizar uma avaliação com um profissional sério  que levará em conta  as expectativas da paciente juntamente com as possibilidades técnicas mais seguras e atuais. Assim aumentará as chances de um resultado bonito e duradouro.

    CTA3

    A cirurgia plástica das mamas, conhecida entre os cirurgiões plásticos como mamoplastia, inclui técnicas para aumento, diminuição, simetrização e reconstrução das mamas.

    Entenda a diferença entre cada uma delas.

    Quais são os principais tipos de mamoplastia?

    Apesar de todas as cirurgias plásticas relacionadas às mamas receberem o nome genérico de mamoplastia, existem muitas técnicas envolvidas neste processo. E cada uma delas, pode ser utilizada para objetivos diferentes. Conheça as principais modalidades de mamoplastia:

    Cirurgia de mamoplastia de aumento

    Muito procurada por mulheres de seios pequenos ou médios, consiste na  inclusão  de próteses de silicone nos seios com o intuito de aumentá-los, ajustando-os proporcionalmente ao restante do corpo.

    A escolha das próteses mamárias é realizada levando-se em conta o desejo da paciente e a avaliação do cirurgião plástico durante a consulta médica. Basicamente, as próteses podem ser posicionadas na frente ou atrás do músculo peitoral maior. Além disso, o corte realizado para a  inclusão  da prótese pode ser feito no sulco mamário, na auréola ou axila.É uma cirurgia rápida que proporciona muita satisfação às pacientes.

    Cirurgia de mamoplastia redutora

    Indicada para mulheres que possuem mamas muito volumosas e desproporcionais ao restante do corpo cujo peso excessivo pode causar dores nos ombros e na coluna. Além disso, prejudicam a prática de exercícios físicos e podem causar assaduras na região do sulco mamário.

    A técnica de mamoplastia redutora tem como objetivo diminuir e dar nova forma às mamas, a fim de ajustá-las proporcionalmente ao restante do corpo. Apesar de haver a remoção de boa parte de tecido glandular, o procedimento não interfere, necessariamente, em uma  futura amamentação. As cicatrizes deixadas  podem ser em formato de “T invertido” (sulco mamário e vertical) ou em forma de “L”, além da cicatriz ao redor da aréola.

    Cirurgia de mamoplastia reconstrutiva

    Normalmente realizada para recuperar a aparência dos seios após sua remoção parcial ou total para o tratamento de alguma doença como o câncer de mama.

    Na cirurgia plástica reconstrutiva das mamas, o cirurgião plástico utiliza desde técnicas mais simples, como a inclusão de próteses de silicone, até as mais complexas, nas quais realiza a transferência de tecido da própria paciente através da microcirurgia. Nesse tipo de mamoplastia, é comum a necessidade de mais de uma cirurgia para atingir o resultado final.

    Cirurgia de mastopexia

    Conhecida também como lifting (levantamento) das mamas, a mastopexia é uma técnica muito utilizada para melhorar a aparência de mama flácidas e caídas. È uma indicação muito comum para pacientes próximas da meia idade, com prole constituída e que amamentaram. No caso de mamas pequenas, frequentemente associa-se a utilização de próteses de silicone.

    A cicatriz resultante irá depender da técnica utilizada pelo cirurgião plástico, podendo ser em forma de T invertido ou vertical, indo da borda da auréola até o sulco da mama.

    agende uma consulta

    A mastopexia é a cirurgia plástica conhecida também como lifting das mamas. Ela tem como principal objetivo reverter a queda natural dos seios por meio do reposicionamento das auréolas, remoção de tecido excedente e da flacidez, a fim de elevar as mamas de maneira natural e simétrica.

    A queda das mamas é um fenômeno natural do organismo feminino, relacionado a diversas características da mulher. Entre elas, podemos citar:

    • A capacidade de elasticidade da pele;
    • A composição (glândulas e tecido adiposo) da mama;
    • A idade da paciente.

    Existem diversos fatores relacionados às causas de queda das mamas, no entanto a técnica da mastopexia deve levar em consideração a proporcionalidade entre os tecidos internos dos seios e a pele da paciente, visando atingir um resultado natural.

    Como é a cirurgia de mastopexia?

    A cirurgia de elevação das mamas pode ser realizada de diferentes formas, de acordo com a necessidade da paciente e levando em consideração a análise realizada pelo cirurgião plástico que está acompanhando o caso.

    A mastopexia pode estar associada à mamoplastia de aumento, utilizando prótese mamária para atingir uma simetria entre os seios, ou seja, quando a paciente apresenta uma mama maior do que a outra. Existem casos em que também é utilizado um implante de silicone a fim de gerar maior sustentação, levando em conta que o seio da paciente possui espaços não preenchidos ou tecidos atrofiados, que geram a flacidez.

    Nas situações em que não é necessário o uso de próteses, a mastopexia baseia-se na remoção do excesso de pele e tecido adiposo, reposicionamento da auréola e da pele dos seios com o intuito de proporcionar um novo contorno às mamas.

    Em que casos é indicada a mastopexia?

    O procedimento de lifting ou elevação das mamas é indicado por cirurgiões plásticos para mulheres que apresentam flacidez nas mamas, seios assimétricos ou mamas pendentes. A ptose (queda) dos seios é bastante comum após a perda considerável de peso, como também após a amamentação.

    Muitas vezes, por não se sentirem confortáveis com a aparência dos seios, as mulheres podem desenvolver bloqueios sociais, como deixar de vestir algum modelo de roupa, não usar biquínis ou, até mesmo, sentir constrangimento em momentos íntimos com parceiros.

    Existem também os casos em que a mulher possui mamas grandes e desenvolve problemas na coluna, por conta do peso dos seios, ou ferimentos e marcas profundas na pele, devido ao uso contínuo do sutiã. Nessas situações é realizada a mamoplastia redutora e, na maioria das vezes, a associação com a mastopexia para reposicionar os seios de maneira proporcional ao corpo da paciente.

    Caso uma mulher não esteja satisfeita com a aparência dos seios é muito recomendado buscar a avaliação de um especialista em cirurgias plásticas a fim de receber orientações específicas sobre a técnica recomendada para o seu caso.

    agende uma consulta


      Fatal error: Call to undefined function html5wp_pagination() in /home/mario870/public_html/wp-content/themes/inovado_2.0/pagination.php on line 3