Como escolher um cirurgião plástico?

Seja qual for o objetivo estético, é muito importante a cautela no momento de escolher o cirurgião plástico, o Brasil é líder do ranking mundial quando o assunto é cirurgia plástica. São quase um milhão e meio de intervenções por ano. Engana-se quem acredita que apenas as mulheres recorrem aos procedimentos, o público masculino divide igualmente as estatísticas: 50% para cada lado.

Essa enorme procura é fruto do grande desenvolvimento das técnicas na área, que automaticamente deixam as pessoas mais seguras e à vontade para realizar os procedimentos. O desejo excessivo de melhorar aspectos do corpo faz com que muitos indivíduos ignorem possíveis riscos das cirurgias e não se atentem para alguns cuidados essenciais antes de se submeterem a uma operação.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, (SBCP), nos últimos dez anos o número de cirurgiões plásticos cresceu cerca de 90%, mas boa parte desses profissionais não apresenta aptidões específicas para atuar em determinadas áreas, o que pode trazer riscos ao paciente.

Uma pesquisa realizada pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, Cremesp, apontou que 97% dos erros em operações estéticas foram cometidos por médicos que não possuíam residência específica.

Para se tornar um cirurgião plástico é fundamental ter seis anos de formação em Medicina, dois anos de residência em cirurgia geral e mais três anos de residência em cirurgia plástica. Apenas após este período o especialista está apto para fazer a prova de credenciamento da SBCP.

Onde fazer a cirurgia plástica?

Muitas pessoas buscam os melhores preços e se esquecem que o valor da cirurgia está diretamente ligado à satisfação com relação aos resultados. Muitos médicos oferecem preços atraentes para conquistar clientes, mas não se preocupam com a estrutura e o suporte necessários para suprir questões básicas dos pacientes no momento da operação. Além disso, grande parte realiza intervenções em clínicas e dispensa uma série de cuidados. Essa prática é tão grave quanto uma cirurgia clandestina. Afinal, estamos falando de uma operação, que como qualquer outra, envolve riscos.

O cirurgião plástico, Dr. Mário Farinazzo, membro credenciado da SBCP, ressalta que é fundamental ter cautela com a escolha do profissional e o local onde será realizada a cirurgia. “O cirurgião deve ter experiência na área, ser credenciado pela SBCP e a intervenção deve ser realizada em um hospital fiscalizado pela Vigilância Sanitária”, recomenda. Farinazzo ainda ressalta que a presença de um anestesista é fundamental. “O acompanhamento do anestesista é muito importante, pois o especialista é responsável pela segurança do paciente durante toda a cirurgia”, salienta.

O médico afirma que a legislação não obriga que os profissionais tenham aperfeiçoamento em cirurgia plástica para atuar no segmento. “Fazer uma cirurgia plástica com um profissional não qualificado coloca a vida de muitos pacientes em risco”, avisa. “É preciso ter uma relação de confiança com o cirurgião plástico que escolher”, finaliza.

O que considerar ao escolher um cirurgião plástico?

  • Referências de familiares e amigos;
  • Cirurgias anteriores (solicite fotos de casos antigos);
  • Averiguar se o profissional é membro credenciado junto à SBCP;
  • Checar se o local do procedimento é fiscalizado pela Vigilância Sanitária;
  • Certifique-se da presença do anestesista durante a operação.

É muito importante que o paciente tenha certeza do que realmente deseja e tenha expectativas reais em relação ao resultado do procedimento cirúrgico.

Após tomar uma decisão, é essencial tirar todas as dúvidas com o cirurgião plástico a respeito dos detalhes que envolvem a operação, como por exemplo, os cuidados necessários antes e depois da cirurgia plástica.

Consulta