Rinoplastia estruturada x redutora – Qual a diferença?

Quando há o interesse em realizar uma cirurgia plástica do nariz, algumas pessoas conhecem o fato de que existem dois métodos que podem ser utilizados: a rinoplastia redutora (mais antigo) e a rinoplastia estruturada (mais recente). Contudo, apesar de já terem ouvido falar sobre as técnicas, nem todo mundo sabe o que diferencia uma da outra. Entenda agora!

Ambos os métodos de realizar uma cirurgia plástica de nariz são muito utilizados em diversos consultórios e clínicas de cirurgia plástica, sendo ainda a rinoplastia redutora a técnica mais comumente realizada por cirurgiões plásticos.

Como é a rinoplastia redutora?

A cirurgia plástica redutora de nariz baseia-se na remoção do excesso de cartilagens, de partes do osso nasal e demais tecidos da região que formem relevos que não agradam ao paciente ou gerem alguma dificuldade funcional, como o desvio de septo, por exemplo.

Entretanto, essa remoção de partes do órgão muitas vezes resulta em um nariz pequeno e arrebitado, que nem sempre leva em consideração as proporções ideais da face do paciente, podendo não apresentar um resultado final que agrade completamente a pessoa, levando, muitas vezes, à necessidade de recorrer a uma rinoplastia secundária.

A insatisfação com o resultado da rinoplastia redutora costuma surgir no paciente com o passar do tempo, devido ao enfraquecimento estrutural que a remoção de boa parte das cartilagens e ossos causa. Alguns anos após a rinoplastia redutora, alguns pacientes dizem notar sequelas, como o rebaixamento do dorso nasal, e também passam a apresentar dificuldade respiratória, causada pelo estreitamento das vias respiratórias.

Contudo, não são todas as pessoas que relatam essa insatisfação e existem bons cirurgiões plásticos brasileiros que ainda fazem uso dessa técnica e apresentam resultados extremamente satisfatórios aos pacientes. Ainda que o método mais moderno seja a rinoplastia estruturada.

Como é a rinoplastia estruturada?

Criada com o intuito de atender às necessidades e expectativas dos pacientes com relação à cirurgia plástica do nariz, mas manter a naturalidade e a proporcionalidade ao rosto das pessoas que optam pela correção nasal, a rinoplastia estruturada surgiu nos EUA na década de 1990 e vem ganhando cada vez mais espaço nas clínicas de cirurgias plásticas.

O método mais atual da cirurgia plástica nasal utiliza os excessos de cartilagem nasal que, na maioria dos casos, são removidos durante o procedimento e os molda de acordo com as características desejadas pelo paciente. Dependendo do procedimento, poderá ser necessário utilizar cartilagem da orelha ou costelas do paciente para realizar os enxertos nasais.

Muito utilizada como um procedimento secundário, a rinoplastia estruturada apresenta resultados mais simétricos, naturais e, principalmente, resistentes, dispensando procedimentos posteriores de reparação, como a rinoplastia secundária.

Qual a principal diferença entre as técnicas?

A principal diferença entre a rinoplastia redutora e a estruturada é básica: na rinoplastia redutora existe o rompimento entre as cartilagens e a redução do esqueleto nasal, já na rinoplastia estruturada, além dos reparos feitos na estrutura nasal do paciente, são utilizados pontos de fixação e enxertos de cartilagem que fortalecem e asseguram a estrutura remanescente no nariz.

Além disso, a rinoplastia estruturada é o método mais indicado para correções em casos de problemas relacionados à disfunção respiratória do paciente, como o desvio de septo ou hipertrofia dos cornetos.

Ambas as técnicas são eficazes e muito realizadas, mas apenas um cirurgião plástico especialista pode confirmar qual método é o ideal para cada caso, após uma avaliação minuciosa e conversas com o paciente.

Agende uma avaliação